Pensamentos para Reflexão – Parte 1745

A elevação moral do médium proporciona a si mesmo melhor transparência espiritual, o que então favorece aos desencarnados sábios e benfeitores a condição de revelarem para o plano físico maior conteúdo de seu conhecimento e atributos siderais.
O médium é o filtro do pensamento dos espíritos desencarnados para o plano físico; assim quanto maior conhecimento intelectual e qualidade espiritual o médium puder oferecer aos seus mentores espirituais também há de favorecer uma orientação mais fiel de suas mensagens.

Todos nós no âmago do nosso espírito possuímos a mesma força Divina a todo ser criado por DEUS.
Os médiuns que apresentam melhor desenvolvimento espiritual e capacidade mental devem agradecer ao seu trabalho eficiente e qualitativo, fruto do seu esforço abnegado e aproveitamento de todos os seus minutos disponíveis em favor da causa espiritual.
Não há dúvida de que há sempre uma diferença de capacidade, inteligência e moralidade entre os seres humanos, mas isso é devido à própria idade sideral de suas consciências formadas no tempo e no espaço, que lhes aprimora o entendimento mental e a natureza do sentimento.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1744

Embora JESUS sendo um espírito merecedor de todos os carinhos do mundo, nem por isso a maldade humana deixava de atingir sua fisionomia esplendida e leal, às vezes haviam algumas sombras provocadas pela maledicência, injustiça e despeito.
Aliás, o que é mais delicado é mais fácil de ser maltratado, pois assim também aconteceu com o Mestre JESUS.
Seu porte atraente, a sua beleza angélica, a sabedoria prematura e a meiguice incomum, se tornava um alvo para a concentração de fluidos de ciúme, de inveja e sarcasmo.
No decorrer de sua vida, enfrentou a maldade, a má-fé, a malícia e a hipocrisia humanas.

O menino Jesus nada tinha de vaidade ou orgulho que o distanciasse dos demais companheiros de infância, pois era cordial e afetuoso, amigo e leal.
Muitas vezes, no auge da brincadeira divertida, mudava sua fisionomia, porque seus sentimentos espirituais aflorados pressentiam a efervescência das ciladas ou das cargas fluídicas agressivas que se moviam procurando atingi-lo em sua aura defensiva.
É o anjo ameaçado pelos seus adversários sombrios, que não podiam afetar-lhe a Divina contextura espiritual, mas tentavam ferir seu corpo físico precioso instrumento do seu trabalho messiânico na Terra.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1743

O exercício mediúnico com as energias inferiores e para o médium perceber a diferença vibratória de que os espíritos benfeitores dificilmente podem fazer-se sentir fisicamente, porque os seus fluidos são mais rarefeitos e suaves, causando apenas uma leve impressão de natureza psíquica, em vez de qualquer violência ou opressão no corpo físico do médium.
Só os espíritos agitados imperfeitos ou mal-intencionados é que costumam atuar com violência ou rudeza nos médiuns, eliminando as desconfianças quanto à realidade e a dúvida do mundo espiritual.
O fluido agressivo dos espíritos sofredores é o recurso de que os espíritos do bem costumam por vezes se utilizar a fim de eliminar a dúvida de muitos médiuns.

O médium após a experiência de trabalho com os espíritos inferiores compreende que, de acordo com as intenções e o grau evolutivo dos espíritos desencarnados, também se alteram a densidade, a temperatura e o próprio odor dos fluidos.
Isso faz com que o médium fique mais sensível ao tipo de fluido dos desencarnados e amadureça seu campo mental de vigilância.
Após tantas dificuldades e decepções, o médium reconhece que só um estudo disciplinado, constante e perseverante, com o aproveitamento de todos os minutos disponíveis em sua vida cotidiana, é para melhorar o seu padrão moral, e que realmente poderá ajudá-lo a solucionar todas as suas dúvidas e os problemas aflitivos do exercício da sua mediunidade intuitiva.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1742

JESUS não foi o ser humano miraculoso ou um Santo Imaterial, cujos gestos, palavras e atos só obedeciam ao ambiente celestial decretado por DEUS; mas, também, não era vulgar tomado de ambições políticas; e desejoso das falsas glórias do mundo material.
Também não era um ser humano acima das necessidades humanas, nem um arruaceiro buscando o triunfo nos bens terrenos.
Porque a onde terminava o Anjo começava o ser humano, sem quebrar o equilíbrio psicológico ou desagradar os seus contemporâneos.

A infância do menino JESUS, aparentemente, transcorreu de modo tão comum quanto à dos meninos de sua época.
Ele era diferente dos outros meninos devido à sinceridade e franqueza com que julgava as coisas do mundo, sem hipocrisia.
Algumas vezes causava aflições aos próprios pais, provocando comentários contraditórios entre aquela gente conservadora, que jamais poderia compreender o temperamento de um Anjo exilado em um corpo físico e incapaz de se envolver aos interesses comuns do ambiente humano.
A vida de JESUS transcorreu ligada aos costumes das famílias judaicas pobres e de descendência numerosa.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1741

O médium intuitivo, sonâmbulo ou fenomênico deve desenvolver o seu sentimento universalista, para eliminar todas as improvisações e restrições que atrapalha o trabalho e as experimentações mediúnicas dos demais seres humanos.
Desta forma poderá obter o mais sadio aproveitamento de sua faculdade, atraindo para junto de si as entidades completamente libertas de preconceitos ou premeditações tão a gosto dos seres humanos ortodoxos.
O médium consciente e excessivamente anímico no intercâmbio com o plano espiritual, ainda for rígido em sua crença, indiferente ou contrário à cultura espiritualista e aos experimentos psíquicos superiores, não há dúvida de que os espíritos comunicantes sentiram dificuldades em transmitir ideias mais amplas ou expor por ele qualquer assunto de importância.

O médium anímico amplia a sua bagagem intelectual e se dedica ao estudo incessante das obras mestras da espiritualidade, buscando o seu afinamento moral e espiritual em todos os objetivos educativos da vida e das relações humanas, ele não demora em se sobrepor ao seu automatismo psicológico e a governar os excessos de imaginação que perturbam a fidelidade das mensagens mediúnicas.
Caso o médium tenha a índole amorosa e universalista, a sua mente, qual tela panorâmica, há de alcançar paisagens mais amplas e libertar as comunicações dos desencarnados dos condicionamentos particulares.
Leia Mais