Pensamentos para Reflexão – Parte 1704

JESUS é um espírito de graduação angélica, distinto de todos os seus contemporâneos; e sua autoridade espiritual dava-lhe o direito de contrapor-se à própria família, desde que ela teimasse em afastá-lo do seu empreendimento messiânico.
Esse é o motivo por que o plano superior preferiu o espírito dócil e passivo de Maria, para a missão sublime de ser mãe do Messias, protege-lo em sua infância e não tumultuar a sua missão de amplitude coletiva.

Maria era todo coração e pouco intelecto; um ser amável, cujo sentimento se desenvolvera até à plenitude angélica.
No seu caminho de evolução ela ainda precisaria aprimorar a mente em encarnações futuras no conceito da razão e sentimento, que liberta definitivamente o seu espírito do ciclo das reencarnações humanas.
Além de participar do programa messiânico de JESUS, ela também resolveu acolher sob o seu Amor maternal alguns espíritos que tinha ligação espiritual em encarnações passadas, a fim de ajuda-los a melhorarem o seu padrão espiritual.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1703

Muitos médiuns cegos pela vaidade de se jugarem autossuficientes, capazes de tudo realizar na suposta independência de qualquer comando invisível, se esquecem da vigilância e do bom senso, perdem a vibração angélica e tombam fragorosamente no lodo de suas próprias imprudências.
Infelizes e orgulhosos, não conseguem perceber quando também muda a presença oculta que os protegia; quando se retira o Anjo e em seu lugar surge à figura do gênio maquiavélico e astuto das sombras.
Dai por diante, há um dono e não um guia; em lugar de orientador terno e tolerante, que a todos os equívocos e interesses inconfessáveis do médium opunha o zelo da sua responsabilidade espiritual, surge o espírito cruel, daninho orgulhoso e vicioso, que exige, domina e castiga.
Desaparece o Anjo amoroso, que conduz os espíritos para o reino da Luz, e se manifesta o senhor de escravos, que depois arrasta do túmulo o médium imprevidente para as regiões das trevas e aqueles que ele enganou pelo próprio médium.

DEUS sempre concede a oportunidade de renovação moral e do trabalho digno a todos os seus filhos.
O médium que esta nos princípios espirituais dignos e superiores têm que agradecer a Bondade Divina, que tolerou os seus erros nocivos do passado concedendo também a graça do serviço redentor tantas vezes quantas forem necessárias para sua elevação espiritual.
Em geral os pecadores são justamente aqueles que mais precisam de Amor, tanto quanto os enfermos necessitam de médico.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1702

JESUS além de Legislador Espiritual foi o mais avançado cientista encarnado em nosso planeta.
Rompeu a fronteira cármica para a libertação espiritual do ser humano, proporcionou que a Luz do Cristo Planetário envolve-se por definitivo a nossa humanidade.
JESUS não veio destruir a Lei Divina, todos os acontecimentos ocorridos em sua vida são frutos de condições lógicas e naturais.
Quando após seu desencarne que ele apareceu aos seus discípulos, na estrada de Emaús, ou na reunião dos apóstolos, em que Tomé exigiu-lhe a prova do toque físico, isso foi possível graças à presença de médiuns poderosos entre eles, os quais lhe proporcionaram o ectoplasma necessário para sua materialização.
Em ambos os casos, JESUS materializou-se, porque todos o vivam e lhe falaram.
E se assim não fora, só os videntes o teriam identificado e então a dúvida permaneceria entre os apóstolos que não tinham a faculdade mediúnica da vidência.

O plano superior escolheu Maria para ser mãe do Mestre JESUS, porque se tratava de um espírito de absoluta humildade, terno e resignado, que não iria interferir na missão de JESUS.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1701

A fase torturada e contraditória, cheia de dúvidas e de esperanças, quando o ser humano sente o despertar de sua faculdade mediúnica, mas, infelizmente, ainda não possui a força moral, somente a mente e a moral desenvolvida, e os sentimentos equilibrados, que o faz sintonizar imediatamente com os espíritos benfeitores, à medida que se abrem as partes de acesso ao mundo invisível.
Às vezes, é muito tarde que o médium compreende a natureza e os objetivos do seu exercício mediúnico obrigatório, pois, apesar de ter enfrentado sacrifícios severos, só então comprovou que tudo era feito exclusivamente em seu próprio bem.

O médium como um semeador incondicional dos ensinamentos elevados do plano superior, tanto precisa imunizar-se contra as críticas alheias, como impermeabilizar-se dos louvores ou evidências perigosas à vaidade personalista da vida humana.
As dores do médium ingratidões e injustiças são menos importantes do que as desventuras do próximo; as suas próprias opiniões não podem provocar qualquer conflito ou hostilidade alheia contra a doutrina espírita, que o acolhe e beneficia para usufruir o desejo de renovação espiritual.
Leia Mais

Pensamentos para Reflexão – Parte 1700

Embora existindo duas teorias quanto à natureza do corpo de JESUS, a física e a fluídica.
Mas o nascimento de JESUS obedeceu às leis comuns da genética humana.
Seu organismo era realmente físico.
Evidentemente, tratava-se de um organismo isento de qualquer distorção patogênica própria ou hereditária, pois descendia da mais pura linhagem biológica das gerações passadas.
Constituía magnífica expressão anatomia-fisiológica e o seu sistema nervoso era uma rede hipersensível entre o comando cerebral e os seus órgãos.
JESUS poderia compor um corpo fluídico, idêntico aos já existentes em mundos superiores de outras constelações.
Porém a sua missão no nosso planeta exigia-lhe um corpo igual ao de todos os seus habitantes.
Tinha que ser um organismo tão compacto e vigoroso quanto o reclamam os imperativos do meio onde deveria viver.
A comprovação do corpo físico do Mestre JESUS esta na carta enviada a Tibério pelo senador Públio Lentulo, quando presidente da Judéia.

A frente do tribunal de Justiça Divina, “a cada um será dado conforme suas obras”, e não segundo a sua crença.
A crença sem obras de benefício ao próximo ou renovação íntima espiritual é como a árvore estéril; desvaloriza-se porque não dá frutos.
No entanto muitos seres humanos que não admitem os atributos messiânicos do Mestre JESUS e o considera apenas um homem incomum, vivem da maneira tão digna a sua existência terrena, que podem ser consideradas à conta dos seus verdadeiros discípulos.
Leia Mais