Pensamentos para Reflexão – Parte 1704

JESUS é um espírito de graduação angélica, distinto de todos os seus contemporâneos; e sua autoridade espiritual dava-lhe o direito de contrapor-se à própria família, desde que ela teimasse em afastá-lo do seu empreendimento messiânico.
Esse é o motivo por que o plano superior preferiu o espírito dócil e passivo de Maria, para a missão sublime de ser mãe do Messias, protege-lo em sua infância e não tumultuar a sua missão de amplitude coletiva.

Maria era todo coração e pouco intelecto; um ser amável, cujo sentimento se desenvolvera até à plenitude angélica.
No seu caminho de evolução ela ainda precisaria aprimorar a mente em encarnações futuras no conceito da razão e sentimento, que liberta definitivamente o seu espírito do ciclo das reencarnações humanas.
Além de participar do programa messiânico de JESUS, ela também resolveu acolher sob o seu Amor maternal alguns espíritos que tinha ligação espiritual em encarnações passadas, a fim de ajuda-los a melhorarem o seu padrão espiritual.

Maria é um espírito amoroso, terno e paciente, completamente liberta do personalismo tão próprio dos espíritos primários e sem se escravizar à ancestralidade familiar.
Maria possui virtude sublime que provem do seu elevado grau espiritual.
Cumpria seus deveres domésticos e se devotava heroicamente à criação da prole numerosa, tão despreocupada de sua própria ventura, e oferecia de si toda, ternura, paciência, resignação e humildade, sem quaisquer exigências pessoais.

Maria era muitíssimo considerada em Nazaré, por ser excelente em bordados, costuras, tecelagem de tapetes de lã e cordas, cujo ofício aprendeu durante sua permanência entre as virgens de Sião, no Templo de Jerusalém.
Ela aproveitava todo o seu tempo disponível para contribuir com suas prendas e confecções no orçamento modesto de Jose, na oficina de carpintaria.

Maria uma mulher meiga e amorosa, Anjo exilado na Terra, em face de sua modesta cultura e falta de conhecimentos profundos da psicologia humana.
Maria vivia o imediatismo das reações emotivas e sem as complexidades do intelecto.
Mas era tão generosa ao próximo, assim como a fonte de água pura renova-se à medida que a esgotam; como a rosa que doa incondicionalmente o seu perfume, ela jamais se preocupou em saber qual o mecanismo transformador do adubo do solo em uma fragrância tão adorante.

Leia Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *